2017 outubro 10 Vereador questiona abandono da obra da UPA-E no Ibura e afirma “dinheiro público jogado no ralo”

Vereador questiona abandono da obra da UPA-E no Ibura e afirma “dinheiro público jogado no ralo”

Vereador questiona abandono da obra da UPA-E no Ibura e afirma “dinheiro público jogado no ralo”

Equipamento deveria ter sido entregue à população desde 2015. Empresa contratada desistiu da obra, mas recebeu R$ 3,5 milhões da PCR

O vereador do Recife Rinaldo Junior denunciou, na tarde desta terça-feira (10/10), no Plenário da Câmara Municipal, o grande desperdício de dinheiro público com o abandono da obra da primeira UPA Especialidade da cidade do Recife, que começou a ser construída no 2º semestre de 2013, num terreno de 4.462 m² na Avenida Dois Rios, no bairro do Ibura, e deveria ter sido entregue à população em abril de 2015, segundo anúncio do prefeito Geraldo Julio. Do total de R$ 8.7 milhões orçados para construção do prédio no contrato 65/2014, um montante de cerca de R$ 3,6 milhões já foi repassado para a empresa Jacil Empreendimentos LTDA, que desistiu da obra. Os valores foram consultados no Portal da Transparência.

“Essa empresa já recebeu, já está liquidado. A Prefeitura do Recife já pagou a essa empresa três milhões seiscentos e trinta e cinco mil reais. Tive o cuidado de hoje pela manhã e ir ao local, e esse terreno hoje só conta com a fundação. Quer dizer, três milhões seiscentos e trinta e cinco mil reais para fazer a fundação, que não serve mais. Essa obra parou em 2015. Quem for pegar nela agora tem que refazer tudo porque a ferrugem já corroeu, vândalos já roubaram, o material não existe mais e o terreno já desnivelou”, relatou Rinaldo Junior. O parlamentar complementou: “Eu posso afirmar, com base no Portal da Transparência, que o senhor prefeito Geraldo Julio torrou dinheiro dos cidadãos da cidade do Recife”, cravou.

Atendendo ao pedido de moradores do bairro, o vereador compareceu pessoalmente na manhã de hoje (10/10) ao local para conferir as denúncias e constatar o abandono da obra (registrado através de fotos em anexo) e ouviu os relatos de revolta dos moradores. A unidade de saúde prometida pela gestão municipal, que já contabiliza dois anos e seis meses de atraso, contaria com 130 médicos e outros profissionais da área em 13 especialidades, além de um centro de atendimento ao idoso e um ginásio de fisioterapia. A UPA também realizaria 45 mil consultas e 102 mil exames e diagnósticos por mês, diminuindo o prazo de marcação de consultas, segundo divulgado pela gestão municipal.

Rinaldo Junior apontou ainda outras possíveis irregularidades. “Eu tive o cuidado na nossa investigação e também descobri que no ano de 2014 a empresa, que já não estava mais fazendo a obra, recebeu um aditivo no valor de setecentos e trinta e quatro mil reais. No dia 25 de julho recebeu o segundo aditivo, com acréscimo de dois milhões trezentos e noventa e cinco mil reais. E, pasmem, meses depois ela teve a suspensão de um serviço no valor de um milhão e setecentos. Quer dizer, hoje, essa obra que estava orçada em oito milhões setecentos e cinquenta e três mil reais  está orçada em nove milhões setecentos e sessenta reais, sendo que três milhões seiscentos já foram pagos e liquidados, segundo o Portal da Transparência”, salientou o parlamentar.

O vereador também destacou que consultou informações da empresa na JUCEPE, no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica,e descobriu que o endereço registrado fica em um condomínio privado. “Outro ponto ainda mais grave, essa empresa funcionaria em um condomínio, mas chegando lá os moradores informaram que esse condomínio já existe há 20 anos e nunca houve uma empresa chamada Jacil Empreendimentos”, informou. Ainda em seu pronunciamento Rinaldo questionou: “Qual foi engenheiro responsável pelas medições dessa obra? Qual o prazo de entrega dessa obra? Qual é a situação do contrato?”.

Rinaldo Junior criticou ainda a falta da gestão e zelo pelo erário público. “A gente vê aqui um caso de falta de amor ao erário público. Eles não podem justificar que foi a crise porque eu também observei no Portal da Transparência desde 2014, quando foi anunciada a obra, que a arrecadação da Prefeitura do Recife por repasses federais só aumenta. Deve ser por isso que o prefeito Geraldo Julio pagou três milhões pela fundação de um prédio que hoje não existe. Pagou e enterrou esse dinheiro lá porque qualquer empresa que for pegar essa obra agora vai condenar o que está feito e vai ter que fazer tudo novamente. Isso é falta de gestão, afirmou.”

E concluiu seu pronunciamento: “Uma obra que deveria ser concluída em abril de 2015. Já são dois anos e seis meses de dinheiro jogado no ralo. Essa é a situação da UPAE do Ibura. O prefeito Geraldo Julio deve explicação ao povo do Recife e a população do Ibura, onde ele passou nessa eleição pedindo voto”, disse Rinaldo Junior.

 

ADITIVOS

1º Termo aditivo (03 / 06 / 2014) = Acréscimo de serviços extras e excedentes no valor de R$ 734.863,66. O  valor do contrato saiu de R$ 8.753.474,44 para R$ 9.099.549,51.

2º Termo aditivo (25 / 07 / 2014) = Acréscimo de R$ 2.395.597,18 e a suspensão de serviço no valor de R$ 1.734.590,29. O valor passa de R$ 9.099.549,51 para R$ 9.760.556,40

3º Termo aditivo (25 / 03 / 2015) = Prorrogação de prazo de vigência e execução por mais 240 dias.

 

Author: Rinaldo Junior ASSCOM

Vereador do Recife. Presidente do SIEEC-PE e da Força Sindical-PE.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *